Receitas

Receita da Semana: Sopas de Beldroegas

sopas de beldroegas

Beldroegas ou “Balduregas” é uma erva que nasce “a bravo”, com vários benefícios nutricionais.

Um pouco de história

Beldroegas ou “Balduregas” é uma erva que nasce “a bravo”, considerada até uma erva daninha e infestante. Cresce em canteiros e entre outras plantas. Tem folhas e caules carnudos e um sabor inigualável. Hoje em dia já se cultiva, mas nas casas dos Grandolenses come-se a que nasce por si, quando é a sua época.

A Sopa de Beldroegas com Queijo Fresco é um dos pratos mais apreciados de todo o Alentejo. A alimentação do Alentejo é fundamentalmente sazonal pelo que, nas épocas em que não há beldroegas, esta sopa pode ser confecionada com espinafres ou mesmo com alface quando esta já não é muito tenra. É conhecida a expressão “no Alentejo, com qualquer erva se faz uma sopa”.

É uma planta com muitíssimos benefícios para a saúde, rica em vitaminas e sais minerais, apresentando vários benefícios nutricionais. Embora atualmente já surjam algumas criações também em saladas, são cozinhadas habitualmente de duas maneiras em sopa, num creme de legumes, ou em açorda, como quem diz sopas de pão. No seu caldo coze-se queijo de cabra e ovo escalfado. É um prato “pobre” mas comida de conforto e isso já diz tudo.

 

Receita de Sopas de Beldroegas

Ingredientes:

– 1 molho de beldroegas,

– 2 batatas médias,

– 1 cabeça de alhos,

– ½ cebola,

– 2 queijos de cabra duros curados,

– 4 ovos,

– pão alentejano duro,

– azeite, sal, colorau, 1 folha de louro.

 

Preparação:

  • Arranjar as beldroegas, descartando os talos mais grossos. Colocar num alguidar com água para irem perdendo terra e lavar bem;
  • Descascar as batatas e cortar em rodelas. Lavar e cortar cada queijo em quartos. Reservar;
  • Num tacho, cobrir o fundo com azeite, juntar uma cabeça de alhos inteira, arranjada e lavada ( sem a pele exterior, mantendo apenas a pele dos dentes de alho), a cebola picadinha e a folha de louro;
  • Levar ao lume alto até refugar um pouco. Juntar as beldroegas, temperar de sal e colorau. Envolver e deixar amolecer. Juntar as batatas e o queijo. Tapar com água (preferencialmente já a ferver), deixar cozinhar até as batatas estarem mesmo quase (cerca de 10 minutos).

Retificar a quantidade de água (de forma a que seja suficiente para fazer o caldo da açorda) e os temperos. Abrir os ovos um a um e juntar com cuidado. Deixar cozer. Tirar os ovos, as batatas, o queijo e a cabeça de alhos para uma travessa e servir a acompanhar o caldo bem quente, sobre fatias de pão fininhas.

 

Nota: Podem substituir-se os queijos de leite de cabra secos por frescos.

 

(Conteúdos produzidos pelo município de Grândola, para ‘Harmonizações, histórias e Memórias’, aquando da comemoração dos ‘21 Anos da Gastronomia Património Cultural’, promovida pela AMPV – Associação de Municípios Portugueses do Vinho)

 

Proposta de Harmonização SmartFarmer

Para este tradicional e muito apreciado prato, propomos a harmonização com o Az Vinho Tinto 2018 da Adega de Azueria. Vinho de cor granada e aroma delicado com notas de frutos vermelhos e figos, envolvidos por taninos suaves, com ligeira acidez que confere elegância e persistência ao conjunto. Na boca apresenta-se macio, redondo e fácil de beber.

sopas de beldroegas

 

Adega de Azueira

Situada numa das regiões de Portugal com maior tradição vitivinícola, a Adega de Azueira com mais de 50 anos de existência, produz anualmente cerca de 11 milhões de litros de vinho, sendo 85% tinto e 15% branco. Atualmente, conta, aproximadamente, com 400 sócios ativos e a área de produção das suas uvas ronda os 1200 hectares de vinhas.

Há mais de 25 anos, iniciou o seu processo de internacionalização no mercado Africano, nomeadamente em Angola, abrindo assim a sua sucursal na capital, Luanda. Com o sucesso obtido, surgiu a oportunidade de expansão para outros mercados Internacionais, estando já presente em quatro continentes.

Nos últimos anos, tem vindo a apostar na diversificação de castas nacionais e internacionais de forma a valorizar os seus vinhos e a aumentar a produção de vinhos certificados na região de Lisboa. Actualmente a mesma desenvolve marcas a pensar em cada mercado onde se insere. O facto de ter uma gama de vinhos com design próprio confere a todos os clientes e parceiros a possibilidade de personalização dos mesmos, de acordo com as suas necessidades e exigências.

 

 

imagem e capa: teleculinaria.pt

 

 

Back to list