Receitas

Peixinhos da horta, um petisco tipicamente português

peixinhos da horta

Origem

Não se sabe a origem do nome ‘peixinhos da horta’ nem da confeção, mas afirma-se que é uma das receitas que deu origem à especialidade japonesa «tempura».

Embora na verdade não se saiba ao certo a origem do nome e até do próprio ‘petisco’, há registos que comprovam que já no séc. XVI no Rossio, em Lisboa, vendeiras apregoavam e vendiam ‘legumes fritos’.
Ao que se comercializava nas ruas de Lisboa chamar-se-ia ‘Chícharos fritos’ e só no séc. XIX passou a usar-se a atual designação, na sequência da deslocação da população da grande cidade para as ‘idas às hortas’ nos arredores da capital

A verdade é que atualmente os encontramos um pouco por todo o país, nomeadamente em zonas de interior como a Beira onde se preparam também outros legumes como cherovias ou beringelas, igualmente envoltas em polme de farinha e ovo, preparação que, pela fritura, os mantinha comestíveis por algum tempo. Os peixinhos da horta podem ser servidos como petisco, entrada ou acompanhamento de pratos de carne ou peixe.
Diz-se que esta foi uma das receitas que deu origem à especialidade japonesa “tempura”, levada pelos missionários portugueses.

 

Receita para 30 ‘peixinhos da horta’

A receita que propomos hoje é uma receita para 30 ‘peixinhos da horta’ constante da obra ‘A Cultura Gastronómica em Portugal’, do Centro de Formação Profissional do Setor Alimentar.

 

Ingredientes

-500 gr de feijão verde;

– 1 limão;

– 250 gr de farinha de trigo;

– 4 ovos;

-2 dl de vinho branco;

-2 colheres de sopa de manteiga;

– 2 dl de água; sal e pimenta q.b. e óleo (ou azeite).

 

Preparação

Do feijão verde:

  • Levar a caçarola ao lume com água até à fervura;
  • Retirar as extremidades e os fios ao feijão verde e lavar;
  • Cozer na água a ferver temperada com sal, mantendo a caçarola destapada*;
  • Retirar quando cozido, escorrer e temperar com sumo de limão.

*- Este processo deve ser utilizado para todos os legumes verdes, para manter a sua cor.

 

Do Polme:

  • Colocar numa tijela a farinha e abrir uma estanca (divisão);
  • Adicionar na estanca os ovos, um a um e ligar à farinha; juntar o vinho branco, a manteiga; o sal; a pimenta e a água;
  • Bater até atingir um polme bem homogéneo.

 

Albardar e fritar o feijão verde:

  • Envolver os feijões, dois de cada vez, previamente partidos ao meio, no polme;
  • Fritar em óleo (ou azeite) bem quente até a massa que envolve o feijão estar dourada e ‘cozida’;
  • Escorrer os peixinhos da horta em papel absorvente ou num escorredor;
  • Empratar na travessa sobre folhas de alface ou ‘naperon’ de papel;
  • Decorar com rodelas de limão, gomos de tomate e tiras de pimento.

 

Sugestões:

Para tornar os ‘peixinhos da horta’ mais fofos pode adicionar fermento, no entanto, este ingrediente não consta na receita tradicional. Saiba no entanto que a utilização de fermento leva a uma maior absorção de gordura durante a fritura.
Se para a fritura substituir o azeite por óleo, poderá adicionar ao polme 2 colheres de sopa de azeite para transmitir o sabor.
Apesar de tradicionalmente se usar vinho branco para preparar o polme, poderá substitui-lo pela mesma quantidade de cerveja.

 

 

Seja como prato principal, seja como entrada, este é um daqueles petiscos ótimos para qualquer ocasião, para acompanhar com um bom copo de branco ou tinto. Deixe-se inspirar pela nossa garrafeira. 

 

 

 

IN: Jornal dos Sabores