Notícias

Inflação impulsiona consumo consciente

inflação

O aumento dos preços dos alimentos levou a um aumento da consciência sobre o desperdício alimentar em Portugal.

Nos últimos anos em Portugal, movimentos da opinião pública e múltiplas iniciativas privadas, como aquelas por parte dos Bancos Alimentares Contra a Fome, têm vindo a desencadear ações com vista à redução do desperdício alimentar.

Neste âmbito também desempenhou um papel muito importante a Diretiva Europeia sobre Resíduos, (UE 2018/851), destacando-se neste quadro a criação e ação da Comissão Nacional de Combate ao Desperdício Alimentar que tem como missão promover a redução do desperdício alimentar através de uma abordagem integrada e multidisciplinar.

No plano privado, destacam-se instituições como a ‘Reefood’ e a ‘Dariacordar’/’ZeroDesperdício’, que com base no voluntariado, recolhem a partir de uma vasta rede de doadores, supermercados, restaurantes, cafés, hospitais, hotéis e entidades públicas, alimentos perecíveis de consumo quase imediato, tais como as sobras de refeições intactas, como é o caso da ‘Reefood’, ou os excedentes alimentares e alimentos que se aproximam do fim das datas de validade, como faz o movimento ‘ZeroDesperdício’, e promovem a sua distribuição por famílias carenciadas, devidamente sinalizadas.

A estas acrescentem-se outras iniciativas com diferentes abordagens, mas que partilham os mesmos objetivos, como a ‘Fruta Feia’, ou a ‘Goodafter.com’.

Segundo um estudo da DECO Proteste, a inflação deixou o cabaz de 63 produtos em média 10% mais caro. A consciência sobre o desperdício de alimentos aumentou nos últimos dois anos, passando de 33% para 72% dos consumidores.

A Inflação impulsiona o combate ao desperdício alimentar? A resposta é sim.

A taxa de inflação em Portugal aumentou para 8,7% em junho e a alimentação é o setor em que as famílias portuguesas têm sentido mais o aumento de preços. De acordo com a DECO Proteste, um cabaz de 63 produtos ficou, em média, 10% mais caro.

Segundo um estudo realizado pelo ‘Capgemini Research Institute’ em junho de 2022, este aumento de preços levou também a um aumento da consciência sobre o desperdício de alimentos.

Comparando dados dos últimos dois anos, esta preocupação passou de 33% para 72%, segundo as respostas obtidas, com 56% dos consumidores a assumir o combate do desperdício de alimentos para economizar custos, além das questões de sustentabilidade. O aumento dos preços dos alimentos é assim apontado como um dos principais motivos deste crescente interesse em reduzir o desperdício.

Este estudo sugere também que 91% dos consumidores prefere comprar alimentos de marcas e empresas que estão a tomar medidas e têm políticas e soluções para reduzir o desperdício.

Através dos dados da empresa ‘Too Good To Go’, que permite aos utilizadores adquirir a preços reduzidos comida que de outra forma não seria vendida, por não estar dentro de parâmetros standard, 1/3 das encomendas adquiridas na aplicação, ao longo dos últimos meses, foram provenientes de supermercados. “Muito devido à diversidade de produtos alimentares que as mesmas contêm, estas tornam-se uma alternativa de compra que possibilita o acesso a uma grande variedade de produtos básicos e alimentos essenciais” lê-se em comunicado.

“Este é, sem dúvida, um período complexo, e quando os preços sobem e impactam algo tão básico e fundamental como a alimentação, é natural que enquanto consumidores procuremos formas de otimizar o nosso orçamento familiar. O nosso utilizador sempre esteve ciente da importância de um consumo mais consciente e sustentável, mas este aumento de procura leva-nos a crer que somos cada vez, também, uma oferta com benefício de custo, também ele muito relevante”, afirmou Nuno Plácido, Country Manager da Too Good To Go em Portugal.

Back to list